Bahia faturou mais de R$ 29 milhões com receitas do Sócio torcedor em 2020

Foto: Reprodução

A diretoria do Bahia apresentou, na noite da última segunda-feira, em reunião virtual com o Conselho Deliberativo, duas propostas de orçamento para a temporada 2021. Os cenários desenhados pelo clube contemplam a possibilidade de permanecer na Série A ou de cair para a Série B. Em caso de descer de divisão, o Tricolor terá uma queda de receita de R$ 63 milhões.

No caso de permanência na Série A, o Bahia prevê uma arrecadação total de aproximadamente R$ 171 milhões em 2021, valor que conta R$ 22 milhões remanescentes da última temporada e R$ 149 milhões de receita do ano em exercício.

Em um segundo cenário, com a queda para a Série B do Campeonato Brasileiro, o clube estima uma receita de cerca de R$ 108 milhões em 2021, com R$ 15 milhões restantes da última temporada e R$ 97 milhões de arrecadação correspondente ao exercício atual.

Nos dois casos, o Bahia estima um déficit, o que faz o clube alertar sobre a necessidade de antecipação de receitas, empréstimos ou vendas de ativos. Durante a reunião, o presidente tricolor afirmou que já tem uma proposta de compra do Fazendão, centro de treinamento tricolor que não é utilizado pelo clube desde o ano passado. O valor de uma venda da estrutura poderá dar um saldo positivo nas contas do clube no fim de 2021.

– Já temos uma proposta em mãos para a venda do Fazendão. Vamos encaminhar em breve para a análise do Conselho Deliberativo – afirmou o dirigente.

Em termos comparativos, o orçamento traçado para 2020, o maior da história, previa arrecadação de R$ 179 milhões. Por conta dos efeitos da pandemia, que adiou a disputa de jogos do Campeonato Brasileiro, além da realização de partidas sem público e queda no número de sócios, o clube teve uma receita menor. Até dezembro, os cofres do clube receberam cerca de R$ 137 milhões, R$ 32 milhões a menos que o previsto.

Parte do rombo ocorre pela queda expressiva no número de sócios. Em março de 2020, antes da pandemia obrigar o fechamento do comércio e suspender a realização de jogos em todo o país, o clube tinha 44 mil associados, com uma inadimplência de 20%. Atualmente, o Bahia tem 28 mil sócios, com uma inadimplência de 26%.

Nos dois planos traçados para 2021, o Bahia prevê uma queda financeira com o programa de sócios. Com a permanência na Série A, o clube considera que terá R$ 25 milhões no ano, contra R$ 29 milhões em 2020. Já em um eventual rebaixamento, o valor arrecadado com a mensalidade dos associados será de R$ 20 milhões.

Já a expectativa sobre o Sócio Digital, aplicativo oficial do clube, vai no caminho oposto. O Bahia arrecadou R$ 300 mil com a ferramenta em 2020 e espera conseguir R$ 720 mil no ano de 2021.

Com relação a despesas, em caso de permanência na Série A, o Bahia prevê gastar R$ 79 milhões em salários, valor pouco maior que em 2020, quando gastou R$ 73. O valor com pagamento de direitos de imagem será um pouco menor do que no último exercício: R$ 16 milhões em 2021 contra R$ 17 milhões no ano passado.

Se cair para a Série B, o Bahia terá R$ 48 milhões para pagar salários e R$ 5 milhões para direitos de imagem.

LEIA TAMBÉM


Faça seu Comentário

Deixe sua opinião abaixo:

Sobre Bahiaço 3452 Artigos
Veiculo informativo independente sobre o Esporte Clube Bahia
Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários